Texto: Michel Candembo


O comércio electrónico, também conhecido por ‘e-commerce’, é um tipo de troca comercial realizada através de um smartfone, tablet ou computador, em Angola, ainda que tímidos, os passos vão-se dando com vontade de se solidificar o formato.

 Existem alguns conceitos em que se enquadram as formas possíveis de se praticar ‘e-commerce’, dentre eles estão o ‘Business to Business (B2B)’ e o ‘Business to Consumer(B2C)’; O primeiro diz respeito a todos os casos de trocas comerciais online entre empresas, e o ‘B2C’ refere-se a transacção comercial entre as empresas e o cliente final. 

 O B2C é um sector do ‘e-commerce’ em franco crescimento ao redor do mundo, e o nosso país não foge à regra, já dá os seus primeiros passos, com a criação de algumas lojas online vocacionadas fundamentalmente para a área têxtil. 

 Fátima Almeida é mentora do site de vendas online, ‘BayQi’, apesar de considerar serem muitos os desafios por enfrentar neste sector, uma vez que é um segmento novo no nosso mercado, está confiante de resultados positivos, sobretudo porque o “diferencial” da sua marca está no facto de os clientes poderem fazer pagamentos digitais, recorda, mantendo “sempre em segurança” os seus dados. Fátima confessa ter sido por conta disso que sua empresa já conseguiu converter 43% do volume potencial de negócios e acredita que até ao final do ano consiga chegar aos 87%, ultrapassando a meta anual. 

 Outras empresas neste segmento de mercado destacam-se a ‘Soba-Store’, dedicada a customização de roupas e outros produtos utilizando padrões africanos, e a ‘Koral Fight Shop’, dedicada à venda de equipamentos para desporto de combate.

 É caso para dizer que o sector do ‘e-commerce’ é um mercado com grande potencial de crescimento em Angola, podendo servir futuramente para mitigar as crescentes necessidades da juventude em relação ao emprego. .