Por: Albino Tchilanda


 inspector geral do comércio, Heleno Antunes, afirmou na segunda-feira  que o arroz de marca “Cordão azul”, apelidado como arroz de plástico, contém características próprias para o consumo humano, porque das análises feitas em três laboratórios diferentes dentro e fora do país não se verificou qualquer anomalia com o produto.

O anúncio surge depois da informação posta a circular nas redes sociais que apontavam este produto como impróprio para o consumo humano devido a cor e o odor que o mesmo apresenta.

À imprensa Heleno Antunes, inspector geral do comércio, informou que o depois das análises feias em três laboratórios distinto dentro e fora do país “não se confirmou a veracidade da informação posta a circular. As características que o produto apresenta é própria para o consumo humano”, informou.

O produto falsamente apelidado como “arroz plástico”, ao contrário, é próprio para o consumo humano em função das análises laboratoriais e por isso, já estão liberados para a sua comercialização os 12. 500 sacos antes apreendidos, revelou.

Depois das denúncias a inspecção geral do comércio procedeu a preensão de mais de 12.500 sacos de 25 quilos mas que neste momento, que depois das análises das amostras foram liberados para serem comercializados.

O responsável adiantou que neste momento o volume de importação do produto é de 570 contentores de 20 pês e cada contentor comporta 1000 sacos de 25 quilos.