O Banco Postal é a mais recente instituição bancária no país que pretende estar mais próximo dos cidadãos e despir-se o melhor que puder das conhecidas burocracias institucionais. Tudo parece simples: desde o simples procedimento de abertura de conta, passando por envio de dinheiro em correio, até à compras e pagamentos de serviços mesmo sem uma conta bancária, são dos elementos à partida garantidos e que JdB resume em cinco pontos.

Refira-se antes que na inauguração do BP, o PCA, N’gunu Noronha Tiny, garantiu criar uma ponte entre a presença física e a digitalização da banca. Na ocasião, autoridades do sector económico e financeiro do Governo, que testemunharam o acto, consideraram ser um ponto de partida para uma maior formalização da economia nacional e gestão das poupanças dos cidadãos.

Mas, afinal, como funciona um banco postal? O que os diferenciam dos outros bancos? As respostas estão seleccionadas em 5 pontos.

  1. Proximidade à população

Os bancos postais são pensados para estarem mais próximos da população, com produtos e serviços adaptados para quem não está inserido no sistema bancário, não possuindo já uma conta bancária ou possuindo mas com a insatisfação sobre o funcionamento do banco. Os procedimentos para a abertura de uma conta são bem mais simplificados do que para a abertura de uma conta bancária num banco comercial, pois o custo é simbólico e existem pouquíssimos requisitos. Estes mecanismos servem para aproximar mais a população do universo bancário.

  1. Associação ao sistema postal

Tal como o cidadão residente em Luanda pode recorrer aos Correios de Angola para enviar uma carta ou uma encomenda à um parente residente no Huambo, agora o poderá fazer também para enviar uma determinada quantia monetária. O serviço postal disponibilizado pelos Correios, através do Banco Postal, passa a envolver a componente financeira, permitindo enviar e receber dinheiro com um processo bastante simplificado e adaptado até para os que não possuem nenhuma experiência em operações bancárias.

  1. Aposta na tecnologia

Para permitir uma maior adaptação à realidade local e uma menor circulação de dinheiro físico, o Banco Postal angolano, conforme lê-se no seu portal, fez “uma grande aposta” nos meios tecnológicos, sobretudo com a criação do Xikila Money, um sistema que permitirá, dentre as várias funções, enviar dinheiro de uma conta para outra através de um simples SMS, efectuar pagamentos em lojas e outros estabelecimentos comerciais denominamos “PAGA AQUI” através de uma solução de pagamentos com base no telemóvel. A transferência poderá ser feita até para quem não possui uma conta, devendo o beneficiário simplesmente dirigir-se à uma Agência ou um quiosque Xikila Money espalhadas um pouco por toda Angola. Um serviço similar pode ser encontrado no Kenya, denominado M-Pesa, que teve “um sucesso enorme” e já conta com aproximadamente 20 milhões de clientes, pesando 11% no PIB daquele país. ”

  1. Foco nas pequenas e médias empresas

Com o objectivo de reduzir a distância entre alguns empresários e o sistema bancário, permitindo um maior impactos dos mesmos na economia nacional, e sobretudo para facilitar a saída da economia informal para a formal, o banco proporciona vários pacotes para as pequenas e médias empresas, através de políticas de poupança, de investimento e de micro-créditos sem riscos. O processo para a adesão é mais simplificados em relação a um banco comercial, e oferece mecanismos que permitam o empresário desenvolver normalmente a actividade sem sentir o “peso” da adesão ao sistema bancário.

  1. Facilidade de pagamentos

Uma das características principais do BP é a facilidade com a qual o cidadão pode efectuar pagamentos. Tal como num Correio, o cidadão pode dirigir-se ao BP para a efectuar vários tipos de pagamentos, de impostos à recargas telefónicas, ou pagamento de serviços televisivos como DSTv ou ZAP. Os referidos pagamentos, como mencionado acima, podem ser feitos seja nas agências, na aplicação do telemóvel ou mesmo por SMS.

O banco

A JdB noticiou a inauguração da primeira agência do banco, no mês passado, que foi no Instituto Superior de Tecnologias de Informação e Comunicação (ISUTIC), no Rangel. Contou com a presença de figuras de destaque ligadas ao sector de economia e finanças, a cerimônia ocorreu numa das salas do instituto em que discursaram a Dra. Maria Luísa Andrade, Presidente do Conselho de Administração dos Correios de Angola; Archer Mangueira, ministro das finanças;  Valter Filipe da Silva, governador do Banco Nacional de Angola e N’gunu Noronha Tiny, presidente do conselho de administração do Banco Postal.

O projecto é resultado de uma parceria entre os correios de Angola, o grupo ENSA e a EGM capital.

O ministro das Finanças, Archer Mangueira, em declarações na ocasião, referiu acreditando que o banco actua num segmento que “tem tudo para crescer”, pela própria vocação que é, ligar-se aos cidadãos e criar produtos de poupança.

A PCA dos Correios de Angola, Maria Luísa, considerou como maior objectivo em causa, a inclusão financeira das populações mais carentes. Pensamento partilhado também por Valter Filipe, que se manifestou, de resto, honrado em presenciar e testemunhar a criação de um banco cuja estratégia se baseia na educação financeira dos angolanos.

Para mais informações sobre os serviços do Banco Postal, ligue para o número do call center Kixikila: +244 921 167 333 ou acesse o site do Banco Postal aqui.