O vício pode ser entendido como algo que condiciona um estilo de vida que não corresponde à realidade. É o que faz o fumante abandonar o transe da música para procurar a varanda da festa para um cigarro, o que faz um compulsivo por doces atacar uma caixa de chocolates mesmo estando de dieta, é o que faz o desconectável não largar o telefone nem para ir à casa-de-banho. Vício é o que o faz e ao resto do mundo parar de desfrutar do prazer da vida social, da companhia de alguém divertido, da conversa com os amigos num Happy Hour para olhar para o e-mail, as sms, o Snap, o pimpim do WhatsApp ou postar uma foto moldada no Instagram.

Infelizmente, no tempo que agora vivemos o mundo à nossa volta tornou-se virtual, este novo mundo, infelizmente, está a criar um monte de gente solitária mesmo estando dentro de comunidades ou rodeados por uma multidão. Os beijos, os abraços, as carícias, o sexo (sim, o sexo!) estão a ser trocados por likes , posts partilhados, respostas automáticas e por um despropósito na vida do outro que faz com que nos esqueçamos de como é que se faz para ser feliz. Contam-se os segundos na rotina corrida do dia-a-dia para chegar logo o momento de se encontrar a pessoa amada e quando finalmente chega a hora, depois de dias cansativos e recheados de saudade, casais recentes e até de longa data estão literalmente alheios um ao outro. TÊm sempre um tablet, um telemóvel, um computador, uma tecnologia social entre eles e o carinho do parceiro que muitas vezes esperou a semana inteira para dividir todo o seu amor.

d

O assunto parece até ser algo normal, uma realidade que muitos de nós vivemos ou vivenciamos porem é um assunto urgente, e é nesta linha de pensamento que a marca Durex (conhecida pelos seus produtos auxiliares ao bom sexo), em parceria com a Siren Mobile, resolveu desenvolver uma nova forma de tecnologia capaz de resolver o problema do vício virtual para salvar os relacionamentos e, consequentemente, agitar a vida sexual. Depois de um cauteloso estudo em parceria com especialistas em sexualidade da Universidade de Durham, na Inglaterra, o fator afrodisíaco das ferramentas sociais presente atrás do visor do telemóvel ficou ainda mais evidente. A resposta para uma parceria cheia de cumplicidade e prazer sempre esteve ali, ao alcance das nossas mãos e do nosso bom senso: o botão de desligar! Esse mesmo que parece servir de enfeite e praticamente nunca utilizamos. Desligar o telmóvel, o computador e qualquer luzinha de notificação que nos avisa que existe um mundo lá fora a gritar pela nossa atenção, deixa as pessoas focadas naquilo, ou melhor, na pessoa que realmente importa: a que está ao lado delas.

As conexões que muitas vezes são estabelecidas no universo virtual estão bem longe de serem ligações reais de corpo, alma e sentidos. Pessoas que realmente são felizes estão ligadas à vida, e não a uma máquina. Desconectar para reconectar, mais do que uma necessidade, deve se tornar uma prioridade nas nossas vidas.

d

Se o que acabou de ler de alguma maneira o fez pensar sobre como tem se comportado ao pé de pessoas aconselho-o a clicar no link  e ver o vídeo completo produzido pela equipa da Durex.