Por: Neliengue Sancho


Muitas vezes as pessoas passam por dificuldades financeiras e veem-se sufocadas pelas dívidas, sem poder fazer um empréstimo no banco. A única alternativa é pedir dinheiro emprestado para um amigo, mas, resta saber se ele vai emprestar, e qual vai ser a reacção.
Quem nunca ouviu a frase “o dinheiro estraga amizade”?

E aquela frase “não carrega sobre seus ombros os problemas dos outros”?
A primeira frase já todos ouviram falar, porém, a segunda parece que poucas pessoas conhecem, por isso, é muito comum nas sociedades actuais encontrar amizades destruídas por conta de dinheiro emprestado, o que leva indivíduos a emprestarem valores aos outros dizendo que pediram a uma terceira pessoa com o intuito de preservar a amizade.

Na manhã de hoje a nossa equipa deparou-se com uma situação menos confortável no bairro Morro Bento, município de Belas, em Luanda, dois jovens amigos não identificados entraram em pancadaria por causa de um empréstimo de  4 mil kwanzas feito em 2010, para fazer um aborto.

Segundo relatos do senhor Arlindo Kafua, tio e sobrinho do jovem que emprestou ao amigo os quatro mil kwanzas a fim de o amigo interromper uma gravidez em 2010, o fiador era amigo do seu sobrinho, mas tudo mudou desde que o Kim deu por emprestado o valor solicitado pelo amigo.

“O jovem estava aflito e o meu sobrinho sendo amigo ajudou emprestando o valor, mas ele saiu ingrato porque desde 2010 até hoje não o devolveu e para piorar foge e recusa-se a pagar. Hoje descobrimos que afinal o dinheiro era para a namorada dele interromper gravidez” declarou abanando a cabeça lamentando a situação.

Na rua, a população ficou constrangida pelo facto dos dois jovens terem chegado a tal situação, formando pequenos grupos murmurarem entre eles “ele trabalha mas não quer devolver o dinheiro do outro, assim prefere estragar a amizade”; “o moço que veio cobrar também não tem vergonha, 7 horas é para discutir sobre dinheiro, ainda mais com o frio que está a fazer hoje”; “têm coragem”, falavam umas com as outras.

O respeito e a consideração devem estar sempre juntos para que a amizade não seja prejudicada de forma alguma. Onde começa a liberdade de um termina a do outro e respeitar os seus limites é muito importante para que a relação seja duradoura. Não é um empréstimo que vai quebrar os laços de amizade, pode até balançar, mas se for firmada em bases fortes servirá para reforçar ainda mais. Portanto, para preservar uma amizade não é necessário evitar contar os problemas, pelo contrário, amigos de verdade se ajudam e compartilham problemas para somar alegrias. Se a amizade não for verdadeira pode sim, pois um amigo sincero não vai deixar o outro na mão, ambos terão respeito um pelo outro. Emprestar dinheiro e pagar é uma questão de consciência e se ambos a tiverem, a amizade pode continuar mesmo com empréstimos. Essa é uma questão muito delicada, que varia de pessoa para pessoa, tem aqueles que são muito apegados ao dinheiro e por mais que tenham não conseguem emprestar, enquanto que outros o fazem com facilidade.

Essas seriam as atitudes mais coerentes, pois qualquer uma das duas evitaria um possível  desentendimento e evitariam problemas, considerou Balato André que presenciou a situação

No ar ficaram algumas perguntas:

Quanto custa uma amizade verdadeira?
Será que tem preço?
Dinheiro deve estar a cima da amizade?
Podemos pedir emprestado valores monetários aos amigos?
O que leva um fiador fugir uma dívida?
Por que razão não paga se trabalha?
Será que não pensa que a pessoa que emprestou-lhe o valor também precisa do mesmo?
Depois de tanto tempo o indivíduo que emprestou os kwanzas ainda tem coragem de cobrar?
Se fosse você na posição de um dos dois o que faria diante dessa situação?