Por: Redacção


O Ministério da Construção e Obras Públicas esclareceu hoje que se demarca do acordo assinado entre a Unidade Técnica de Apoio ao Investimento Privado (UTAIP) e a empresa China Building Technique Group, pelo facto de o director da UTAIP “não ter sido mandatado pela instituição”.

De acordo com um comunicado do Ministério da Construção e Obras Públicas, o até então director da UTAIP, Cláudio Rodrigues, “não foi mandatado pelo ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida, a proceder à assinatura de qualquer documento em nome deste órgão, na Feira Internacional de Macau”.

Reagindo à matéria difundida pela imprensa, sobre o acordo avaliado em um milhão de dólares com o grupo chinês, explica que a participação, devidamente autorizada pela direcção do Ministério, aconteceu com o propósito de divulgar os investimentos em curso no país e sensibilizar potenciais empresas e grupos a investir em Angola.

Contactado pela Angop, o até então director da UTAIP, Cláudio Rodrigues, confirmou que assinou um “acordo de intenção de investimento privado”, sem a autorização do titular do pelouro.

“Realmente fui lá para uma missão. Não dei a conhecer ao ministro que assinei esse acordo de intenção”, explicou.

Acrescentou que era seu propósito “dar a conhecer” ao titular do Ministério sobre a assinatura desse acordo de intenção, depois do seu regresso a Angola.

A Feira Internacional de Macau, denominada “Fórum Económico para o Comércio e Investimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa”, decorreu de 19 a 20 deste mês, sob lema “O Financiamento de Projectos e Cidades Sustentáveis”.