Por: Redacção 


A empresa de aviação dos Emirados Árabes Unidos, ‘Fly Emirates’, anunciou hoje o abandono da gestão da transportadora de bandeira nacional, TAAG, com a qual firmou um contrato desde 2015 que previa entre outros aspectos a gestão dos recursos humanos, recursos materiais e operações, prometendo reduzir os custos em até 100 milhões de dólares. A razão evocada pela companhia, de acordo com uma nota a que a JdB teve acesso, são as dificuldades que têm enfrentado no repatriamento de divisas, problema que já se vem prolongando há algum tempo. 

Contactada pela JdB, uma funcionária da TAAG, embora esteja ainda em dúvida relativamente ao rompimento do contrato, mas a ser verdade, refere, “seria expectável”, uma vez que a política de redução de gastos e corte dos funcionários fantasmas terá deixado muitos ‘malfeitores’ inquietos e descontentes, não sabendo dizer se esta foi ou não a razão real da cessação do acordo. 

De acordo com o documento oficial da Emirates, assinado pelo seu presidente, Sr. Timothy Clark, dirigido ao ministro dos transportes angolano, Sr. Augusto da Silva Tomás, a companhia afirma ainda estar a espera que o BNA repatrie os valores que ainda estão cativos de modo a que as relações comerciais continuem, e anuncia ainda a redução dos vôos Luanda-Dubai-Luanda para apenas três vôos semanais