Por: Jéssica dos Santos


Os jogadores experientes da selecção nacional de basquetebol: Milton Barros, Armando Costa, e Eduardo Mingas exigem à Federação Angolana de Basquetebol para que Gi Silva esteja na liderança da selecção sénior masculina, para o Afrobasket 2017, posição fortemente criticada pelo jornalista desportivo Mariano de Almeida, que informou que se sussurra pelos corredores da FAB esse desejo daqueles basquetebolistas.
O jornalista desportivo Mariano Almeida, na sua página do facebook, reprovou a atitude dos basquetebolistas, que auguram ver Gi na liderança, frisando não ter nada contra o treinador Gi Silva, “tenho grande admiração pelo seu trabalho e competência. Não estou é de acordo que jogadores em final de carreira imponham o técnico principal e a FAB a esta pressão”, disse.
Segundo acrescentou Mariano Almeida, é “completamente ridículo que situações destas ainda ocorram numa das federações mais tituladas do continente e que requer elevado grau de responsabilidade”.
Entretanto, deixou recomendações ao presidente da FAB, Hélder Cruz, referindo que pela admiração ao responsável, “não acredito que o programa eleitoral esteja a ser assim tão banalizado, o Hélder tem que se fazer acompanhar de verdadeiros coadjuvantes que representem mais valia e que lhe ajudem a decidir bem, não podemos ter diferentes órgãos federativos autênticos analfabetos funcionais”, frisou.
Alguns internautas concordam com os jogadores, no caso de Francisco Ricardo António, em comentário à publicação, refere que Gi devia ser aprovado, depois de treinar a seleção de honra no Afrobasket, “seria uma grande injustiça colocá-lo como adjunto. E por outro lado estes jogadores ainda representam um grande ativo para a nossa seleção”.
Outro internauta, Carlos Veiga, entende que não vê razões para o afastamento de Gi Silva, “até porque teve uma excelente prestação” no apuramento da equipa nacional. Por outra, é jovem e conhece da modalidade e tem características de um guerreiro para aguentar a equipa nacional nesta prova que se avizinha.
Já Francisco Lopes acha “perfeitamente normal” que os jogadores, pela experiencia que têm, conhecimentos dos momentos menos bons que o país vive proponham a continuidade do treinador Gi Silva e decida que tem de o fazer.