Por: Redacção

Imagem: D.R.


A atleta de judo Antónia de Fátima Soares Moreira, conhecida por “Faia”, do clube 1.º de Agosto, vai ser sancionada pela Federação Angolana de Judo (FAJ), por ter convocado um encontro nacional da modalidade para a demissão do actual elenco encabeçado por Paulo Emílio Nzinga ‘Apolo’ e de Edilson Júlio “Mestre Cheno” (presidente da Associação Provincial de Judo de Luanda).

O presidente da FAJ, Paulo Nzinga ‘Apolo’, durante  conferência de imprensa realizada na sede da instituição, na Cidadela Desportiva, denunciou que existem alguns responsáveis no país que têm desrespeitado a nova Lei do Desporto e das Associações Desportivas.

“Há dirigentes a sabotarem alguns pleitos eleitorais nas federações nacionais, para beneficiarem os seus amigos. Alguns responsáveis marcham por cima da nova legislação desportiva. Isto é crónico, e tem sido uma regra quando há eleições”, denunciou preocupado com a situação.

Faia convocou um encontro nacional, realizado na última sexta-feira, na Sala de Convenções da Galeria Nacional dos Desportos, na Cidadela, conduzido pelo presidente da Federação Angolana de Ginástica , Auxílio Jacob, onde foi constituída uma comissão para a marcação de uma Assembleia-geral extraordinária.

A matéria do jornal de Angola narra que a reunião convocada pela judoca do clube militar contou também com a participação de António Gomes, director cessante da Direcção Nacional das Politicas do Desporto, António Monteiro “Bambino” (secretário-geral do Comité Olímpico Angolano) e Mário Rosa de Almeida (vogal do COA).

Para o presidente da FAJ, Faia não tem legitimidade para convocar um encontro nacional, nem para a marcação de uma Assembleia-geral extraordinária. “A reunião não tem legalidade, nem fórum dos associados. Quem tem de convocar um encontro nacional são os associados. A Faia convidou para o encontro amigos e simpatizantes da modalidade para a obtenção dos seus intentos”, disse.