Apesar de serem ainda pouco explorados para gerar oportunidades de emprego para a crescente população jovem de África, o setor agrícola, bem como as atividades rurais não agrícolas (turismo e transporte, por exemplo) têm alto potencial para criar mais e melhores empregos e construir comunidades rurais mais fortes, diz estudo da FAO.

A África tem a população mais nova e em maior crescimento no mundo, prevista para duplicar até 2050. Isso tem um grande impacto no mercado de trabalho. Embora cerca de 12 milhões de jovens se juntem à força de trabalho na África a cada ano, apenas cerca de três milhões de empregos são criados anualmente.

Neste contexto, o setor agrícola, bem como as atividades rurais não agrícolas (turismo e transporte, por exemplo) têm alto potencial para criar mais e melhores empregos e construir comunidades rurais mais fortes.

“Investir na transformação rural e alcançar um mundo livre de fome e desnutrição anda de mãos dadas. Promover uma melhor educação, desenvolvimento de competências e emprego decente é vital para esta transformação na África” disse o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

A FAO lançou recentemente um Programa Especial para promover o emprego dos jovens através da capacitação de empregos agrícolas e agroambientais na África. O programa é outro exemplo da colaboração duradoura da FAO com a Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD) – um programa de desenvolvimento econômico da União Africana – e dos esforços da FAO para fortalecer as parcerias

A FAO é uma agência das Nações Unidas que conduz esforços internacionais para eliminar a fome. Servindo países desenvolvidos e em desenvolvimento, a FAO funciona como um fórum neutro no qual todas as nações se encontram como iguais para negociar acordos e debater políticas. Noticiou o portal Por Dentro de África.