Texto: Lourenço Mussango

Imagem : Dominesves Anthony


 

O crítico literário Hélder Simbad considera que nos dias de hoje a crítica literária “deixou de prestar o papel que lhe é devido, tendo sido substituída pela imprensa e pela crítica positivista”. O homem das letras, que  apresentou ontem a antologia poética ‘Angola-Galiza – Sementes da língua’, na União dos Escritores Angolanos,  observou ainda que “hoje são os declamadores que escrevem e não os poetas”.

Hélder Simbad, ao apresentar a antologia fez uma incursão sobre a boa poesia produzida na Galiza e, de igual forma, elogiou ‘Geração de 80’ considerando que esta traduz o momento áureo da produção literária angolana. Depois de falar de outras gerações literárias, ateve-se a ‘Geração 2010 e seguintes’ dizendo que esta trouxe algumas novidades. Segundo o crítico literário, com o surgimento dos núcleos culturais que promovem mais o texto oral do que o texto escrito, o movimento literário ganhou outros contornos. Contornos mais negativos do que positivos, observa. “Apresento-vos a era da decadência do texto literário!”, disse.  “A crítica literária deixou de prestar o papel que lhe é devido, tendo sido substituída pela imprensa e pela crítica positivista. Hoje são os declamadores que escrevem e não os poetas”, considera. “…o verso voltou a ser o critério para o texto lírico não importando o conteúdo estético.” Concluiu dizendo que no meio desse todo equivoco, dentre os jovens poetas, que figuram na antologia, os que trabalharem com afinco poderão figurar nos 5 poetas restantes da ‘Geração 2010 e Seguintes’, tal como advoga o escritor Lopito Feijóo.

O evento começou ao som de Bona Ska, que interpretou dois temas musicais, ‘Abdução’ de sua autoria e ‘Chipa lepa’ de André Mingas. Pombal Maria, secretário das actividades culturais da UEA, começou por enaltecer o valor da poesia e, de igual modo, regozijou-se com os organizadores da antologia. “Esta é uma antologia panorâmica, uma amostra daquilo que é produzido hoje. A União dos Escritores Angolanos sente-se satisfeita por vocês estarem aqui. Penso que isso é um sinal muito forte de que a literatura angolana caminha muito bem”, considerou, terminou aconselhando aos jovens a produzirem textos com a qualidade estética necessária a fim de marcarem o seu espaço na literatura angolana.

Lopito Feijóo, coordenador da antologia, entende que apesar de na antologia ‘Angola-Galiza – Sementes da língua’ existirem escritores ‘mais-velhos’ (poetas da Geração de 80), referiu que a mesma foi pensada para os jovens escritores que estão à procura de um espaço e oportunidade de publicarem seus poemas.

A antologia ‘Angola-Galiza – Sementes da língua’ surge no âmbito do projecto ‘Roteiro das Artes Internacional’, coordenado pelo escritor galego José Estévez e congrega, em diferentes livros, escritores da Galiza, Moçambique, Cabo Verde, Ucrânia, Angola, etc.

Além dos poetas galegos, a antologia conta com a participação de 68 poetas de variadas gerações literárias angolanas. Lopito Feijóo, coordenador do projecto em Angola, de forma inédita, no mesmo livro, reúne os poetas da Gerações de 80, 90, 2000 e ‘2010 e Seguintes’.

A antologia foi e está a ser comercializada pelo preço de 2000 Akz.