Por: Albino Tchilanda
Os familiares da idosa Emília Francisco, de 66 anos, que no passado sábado, 2 de Dezembro, acabou por morrer no hospital provincial do Bengo devido à picada de um insecto, acusam a Direcção da referida unidade hospitalar de ser a culpada pela morte da vítima.
A denúncia sobre o infausto acontecimento que vitimou a cidadã começaram a surgir momentos depois de a vítima conhecer a morte, segundo as filhas, quando ainda se encontravam no hospital.Os familiares não param de acusar os médicos porque, mesmo com dores estes mandaram a mais velha para casa e horas depois a anciã acaba por morrer no quintal da unidade hospitalar, contaram.
“Ela morreu em frente do hospital momentos depois de ter recebido a alta médica. Eles sabiam que a mãe não estava em condições para ir em casa”, denunciou uma das filhas.
Emília Francisco vivia numas das localidades do Úcua, 70 quilómetros da cidade de Caxito. Dias antes a cidadã foi picada no pé por uma centopeia, o que a obrigou a deslocar-se à Caxito para receber os socorros. Posto no hospital provincial local, dirigiu-se ao Banco de Urgência. A vítima ainda chegou a receber o tratamento, conforme contou à imprensa Belita Paulina outra filha da malograda.

Segundo a filha, a mãe queixava-se de dores, primeiro no sítio onde foi mordida, mas depois no corpo todo, entretanto os médicos em serviços decidiram mandar-lhes para casa, por isso ela acabou por morrer.

“Ela ainda sentia algumas dores, mas foi-lhe dado alta. Nós não conseguimos ir para casa por causa da distância, então passamos à noite no quintal do hospital e foi mesmo aqui onde a mãe morreu no sábado”, lamentou.

A direcção do hospital também lamentou o sucedido, mas não confirmou que a idosa tenha perdido a vida dentro do hospital.

João de Necessidades, Director da unidade desmentiu a denúncia, dizendo que a paciente encontrou a morte fora do hospital, entretanto informou que tudo está a ser feito para se apurar outros dados.

 ” Já foi aberto um inquérito interno e está suspensa toda equipa que funcionou durante as últimas 24 horas até que se apure mais dados”, informou.