Por: Jéssica dos Santos
Imagem: Santo César


O festival de Surf, na praia de Cabo Ledo, foi além de desporto, o evento foi uma mistura de entretenimentos e serviu-se para chamar atenção à sustentabilidade e a consciencialização ambiental, preservação da natureza dentro e fora da água, incentivando à praia limpa com a criação de mandamentos e a premiação de todos aqueles que participaram na recolha de lixo. Os angolanos foram vencedores da competição, em segundo lugar estiveram os israelitas, que confessaram maravilhar-se com as paisagens da praia de Cabo Ledo.

O evento contou com o patrocínio oficial da Nocal, entre outras marcas que se juntaram àquele que é considerado o festival de referência nas praias angolanas.

A social Team, organizadora do evento, está ligada ao desporto em geral, com desenvolvimento de modalidades e atletas onde se destaca o “Surf” sempre com valores de responsabilidade social e preservação do meio ambiente.

Em cabo Ledo onde decorreu o SSW, houve a competição de Surf em que participaram equipas internacionais provenientes Israel, França e angolanos.

Em segundo lugar ficaram os surfistas de Israel, que, em declaração à JdB, acharam: “foi muito bom estar em Angola, e participar desse evento, que promove a ecologia, junto com o desporto, não conhecíamos a praia de Cabo ledo, e ficamos maravilhados”, confessaram.

Os vencedores “Terríveis das ondas” angolanos residentes em Cabo Ledo, mostraram garra e conseguiram manter o primeiro lugar, isso apesar das ondas não estarem favoráveis. “Nós os Terríveis das ondas, estamos muito felizes por vencer, porque concorremos com equipas internacionais e mesmo assim conseguimos sair como os melhores”, disse Manuel, da equipa vencedora.

Segundo Joana Silva, da Social Team, “foi muito prazeroso, houve muito trabalho, mas em compensação o recebimento foi a triplicar, tivemos a melhor das edições, muito maior, muito melhor organizado, mais marcas e excelentes patrocinadores fiéis, com o campeonato de Surf lindo”.

A Social Team vai agora encarar projectos como, O Mussulo Ec Fest, ligado ao Wakebord, que será anunciado brevemente, e pretende chegar às províncias e fazer festa, segundo  a responsável.

O grupo de Rock “Black Soul” também fez o público vibrar ao som das suas músicas. “Foi uma grande emoção para toda a banda, e bastante recompensador, nós tocámos fora do público consumidor do rock, estivemos bastante receosos com a reação do público”,  o grupo surpreendeu-se com a adesão, já que o rock em Angola ainda é um género musical muito pouco consumido, “foi um momento de grande emoção e motivação para nós fazedores deste género musical” disse Helber, membro da banda.