Por: Albino Tchilanda


A direcção da formação do JGM do Huambo anunciou, na tarde desta sexta-feira que o clube já não vai participar do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão (Girabola) e da Taça de Angola devido os problemas financeiros que a equipa enfrenta. Numa altura em que faltam apenas 5 jornadas para terminar, numa altura em que ocupa a 14ª posição, com 21 pontos, a formação do Huambo precisa de 40 milhões de kwanzas para continuar na disputa.

O anúncio da desistência da segunda equipa desta província, que participa no maior campeonato nacional de clubes foi feito em conferencia de imprensa na sede da organização desportiva pelo seu vice-presidente, António Caquinda.

O responsável explicou que a decisão da retira do clube das competições foi tomada depois das reuniões que a direção manteve com os membros da direcção na manhã de hoje.
O formação do JGM tinha já marcado um jogo a contar para 1ª mão dos quartos de final da Taça de Angola frente ao Petro Atlético de Luanda neste sábado. Com esta decisão fica assim anulada a competição de amanhã.

Quanto as dívidas com os atletas, equipa técnica e a Federação de Futebol,  António Caquinda garantiu que as mesmas serão amortizadas paulatinamente.
Neste momento a formação do planalto central ocupa a 14ª posição na tabela classificativa com 21 pontos.

Fundado a 12 de Maio de 1998, o JGM, treinada por Águas Zeca da Silva, o JGM participava pela primeira vez no Girabola e segundo António Caquinda tem dependido apenas do patrocínio do seu presidente, o empresário Jorge Mangrinha e por isso tentaram pedir apoio ao governo provincial, mas este, à última da hora desconfirmou a disponibilização dos valores.
Em recente entrevista à Rádio 5, o presidente do Interclube, Alves Simões, recomendou à federação para que sejam revistos (com certo rigor) os critérios de ascensão de equipas para o campeonato da 1ª divisão, chegando mesmo sugerir um mais um escalão abaixo do Girabola.

Entretanto, a formação do Huambo não é a única nesse deslize, a equipa do 11 Bravos do Maquis também ameaça despedir-se da competição.