Por: Albino Tchilanda


Um jovem em Luanda foi mortalmente atropelado, na tarde desta segunda-feira, no bairro da Robaldina, entre o município de Viana e o do Cazenga.

O incidente aconteceu quando o jovem Adilson, pai de uma menina, saía do trabalho, na empresa Grafic System, sentido 1º de Maio-Viana, para o posto médico em busca dos resultados das análises que tinha feito no período da manhã.

A JdB esteve no local e ouviu José pereira, o colega com quem a vítima passou  os últimos minutos de vida, contou que Adilson acabava de sair do trabalhar por volta das 17 horas e despediu que ia à busca dos resultados das análises que havia feito de manhã antes do trabalho.

“Acabámos de nos despedir agora mesmo, nem faz mais de 10 minutos”, disse o colega pasmado. “Ele disse-me quer ia buscar os resultados médicos, porque de manhã quando chegou na empresa estava a queixa-rse de febre”.

Adilson, continuava o colega, conseguiu passar o asfalto sem problemas. Atravessou os pilares  que separam o Caminho-de-ferro  do asfalto, “mas quando chegou nas linhas férreas, infelizmente o meu colega perdeu a vida”, lamentou em prantos.

O comboio saía sentido Filda (no Cazenga) para a Estalagem, em Viana, quando o jovem trabalhador da empresa Grafic Systems tentou atravessar  já com o resultado das análises  médicas na mão direita  mas, infelizmente, o já não precisou de comprar os medicamentos para  combater o paludismo, porque o comboio acabaria por tirar sua vida.

Na empresa, segundo contou o amigo, Adilson exercia a função de batedor.

Quem também testemunhou a morte do jovem foi Filomena André, estudante que na altura acabava por sair da escola, a jovem contou que Adilson olhava do lado oposto donde vinha o comboio, quando se assustou já era tarde e foi rompido pela locomotiva e lançado à beira do caminho de ferro.

Depois de ter sido cuspido pelo comboio, Adilson ainda conseguiu dar o último suspiro, mas já estava a sangrar nos ouvidos e deitou-se de barriga para baixo, e daí já não voltou a se mexer.

Só no primeiro trimestre deste ano cerca de 921 pessoas morreram vítimas de acidente rodoviário, segundo o Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito que falava esta terça-feira numa reunião com o vice-presidente da República.