Por: Albino Tchilanda

Imagem: Santos César


 

Os jovens engenheiros do Projecto “Ambi-reciclo” e Soluções Ecológicas, criadores dos repelentes a base de produtos naturais e sabão ecológico, cuja comercialização em grande escala espera a certificação do Ministério da Saúde, estão a desenvolver um projecto de produção de combustível a partir de resíduos sólidos, como comida, plásticos, roupa e outros materiais recicláveis, mas para conclusão do referido projecto, que pode ajudar a solucionar os problemas ambientais e gerar combustível renovável, os jovens precisam de apoio para continuar a trabalhar, segundo revelou à JdB, esta quarta-feira, Waldumar da Silva, engenheiro de petróleo e um dos mentores.

Waldumar da Silva, de 27 anos, estudou Engenharia de Petróleo, na especialidade de Pesquisa e Produção. O jovem faz parte de um grupo de quatro engenheiros angolanos que estão a desenvolver um projecto raro. A invenção consiste em produzir biodiesel, ou seja, combustível ecológico e renovável.  

“Como sabemos o combustível fóssil é uma matéria não renovável. O nosso projecto vai provar que é possível produzir combustível não fóssil e renovável a partir de resíduos sólidos como plásticos, comida, roupa. O mesmo já está em fase final, faltando apenas os testes laboratoriais. Tivemos que interromper o trabalho por falta de apoio”, gritou.

Ao contrário dos combustíveis fósseis, que são poluentes e não renováveis, o biodiesel não polui e também pode -se renovar.

A equipa de Waldumar decidiu desenvolver o projecto por causa dos inúmeros problemas que o petróleo e seus derivados provocam ao meio ambiente, contou. Por outro lado, pensaram em preencher o vazio que o petróleo fóssil  poderá deixar, já que é uma matéria não renovável. 

O referido projecto já está em fase final, mas tiveram que interromper devido a falta de laboratórios para testagem e aprovação, daí que pedem mais patrocinadores.

Esta não é a primeira invenção destes engenheiros. Já produziram o eco repelente e o sabão inodoro que ajuda a manter a pele tal como ela é.

Os produtos já se encontram no mercado, mas a venda em grande escala do eco repelente está a depender da certificação do Ministério da Saúde.

“Quanto ao eco repelente ainda não vendemos na sua totalidade, porque estamos à espera da certificação do Ministério da Saúde, tão logo saia, toda equipa de venda estará nos mercados”, informou.

Waldumar lembrou que seus projectos visam salvaguardar o meio ambiente e, por isso, usam estratos puramente naturais sem qualquer aditivo poluente, o  eco-repelente para debelação da malária é um exemplo disto.

Quando questionado sobre a utilidade e o funcionamento do biodiesel, sorridente, Waldumar respondeu: “Já não é embrionário. Brevemente vamos revelar o milagre, só precisamos dos testes laboratoriais”.

O biocombustível ou combustível não fóssil, continuou a esclarecer, é uma energia limpa e não danifica a camada de ozono e é renovável, ao contrário dos fósseis que não se podem renovar.