Por: Lourenço Mussango
Imagens: Céus Alexandre


António Calonda Anastácio, de 30 anos, é um jovem fotógrafo do Huambo (cidade onde trabalha). Pai de 4 filhos, sonha ser o fotógrafo oficial da Presidência da República de Angola. O fotógrafo, desde 1999, que assina pela alcunha de Man Tona, começou por mera brincadeira, fazendo “bonecos” aos seus amigos e familiares.

“A fotografia começou numa brincadeira. Com uma pequena máquina  em mãos fazia fotos por diversão. Fotografava amigos e familiares. As pessoas gostavam e isso fez-me perceber que a fotografia devia ser levada com seriedade”, deu a conhecer.

Hoje, demonstrando maior orgulho pelo que faz, relembrou que aprendeu a fotografar com um amigo seu mais experiente. “Este meu amigo ajudou-me a manusear melhor a máquina”, acrescentou que foi por meio dos amigos fotografados que o seu talento se espalhou pela cidade do Huambo e conseguiu seus primeiros clientes.

Man Tona, jovem sereno e cauteloso ao responder, garantiu que actualmente já conta com mais interessados que procuram pelos seus serviços. Porém, apontou que a maior dificuldade consiste na falta de transparência e responsabilidade de alguns clientes. “Muitos não conhecem o real valor da fotografia. Muitos clientes procuram os nossos trabalhos, mas depois não pagam pelas fotos feitas”, reclamou.

Acrescentou ainda que muitos realizadores de eventos não inserem nos seus pacotes o valor a ser pago ao fotógrafo. “Nós temos feito a cobertura de alguns eventos, mas no final de tudo certos clientes (organizadores de eventos) não atendem o telefone. Deixam de pagar. Vivem do luxo, da aparência, mas na hora de pagar fogem das suas responsabilidades”, sublinhou meio agastado com a situação.

Este jovem da banda, optimista, garantiu que embora existam clientes que se furtam das suas responsabilidades, há ainda aqueles que respeitam o trabalho dos fotógrafos e pagam por ele. No seu dia-a-dia, Man Tona passa algumas horas no ‘Jardim da Cultura do Huambo’, onde por sinal o encontramos a fotografar. Por cada fotografia feita cobra 250 Kwanzas.

Observou que a cobertura de um casamento, um aniversário ou um outro evento de grande proporção, não tem um preço fixo, varia de acordo as negociações que faz com os seus clientes. Estimou que o valor cobrado por cada álbum alterna de 50 mil a 100 mil Kwanzas.

Pai de família e educador, António Calonda Anastácio reiterou que a fotografia é o seu ganha-pão. Hoje, sendo pai de 4 filhos, garante que é com fotografia que tem mantido um teto para morar a sua esposa e tem custeado a escola dos seus filhos.

Embora não tendo formação na área, Man Tona garante que os anos de intensa actividade laboral fizeram de si um excelente profissional. Assinalou que a formação é importante. “Mantenho-me esperançoso, um dia farei uma formação em fotografia. Poderei combinar a prática com o conhecimento teórico”.

Enquanto luta pela melhoria das condições de vida e aguarda pela formação, o jovem fotógrafo deseja aprimorar cada vez mais o seu trabalho para num futuro não muito distante ser o fotógrafo de um governador ou mesmo um ministro. “Meu maior sonho é ser fotógrafo da Presidência da República de Angola”, concluiu.