Texto: Jéssica dos Santos

 

O ministro da Juventude e Desportos, Albino da Conceição, mostrou-se desconhecer a intenção das autoridades angolanas em acolher a edição de 2017 do Campeonato Africano das Nações de Basquetebol, Afrobasket, prevista a realização de 19 a 30 de Agosto, em Luanda, em substituição da República do Congo, segundo anunciou sábado o site oficial da FIBA-África, visto que o país encontrar-se-á em época de eleições, justificou o governante.

A organização de um evento da dimensão do Afrobasket requer a aprovação das entidades governamentais, porque pressupõe uma série de condições, desde o alojamento das delegações, transporte e outras envolventes.

Em declarações a Televisão Publica de Angola, o ministro da Juventude e Desportos frisou que  o país encontra-se num ano de eleições, e existem outras prioridades, “e pelo que se sabe, o Governo de Angola não assume este evento”, esclareceu.

O Congo Brazzaville desistiu da ideia de sediar o certame, há duas semanas, após alegar razões económicas e financeiras, decisão essa que deixou a FIBA em apuros.

A escolha do novo anfitrião foi feita após uma reunião em Bamako, capital do Mali, na sexta-feira, entre uma delegação da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) e o Conselho da FIBA-África.

Participam na competição 16 selecções nacionais, nomeadamente Nigéria, que é a actual campeã, Angola, Marrocos, Tunísia, Mali, Senegal, Costa do Marfim, Camarões, República Democrática do Congo, Egipto, Uganda, Moçambique e África do Sul.

A Guiné e o Ruanda também receberam convites (wild card) para participar nesta edição.

Será igualmente concedido um convite adicional ao país substituto da República do Congo, que apontou questões logísticas como razão da sua incapacidade de acolher a competição.