Por: Marinela Gomes

 

Muitos de nós ainda não tem experiência profissional, mas tentem imaginar que nas fervorosas discussões que observamos em meio àquelas aulas-debates, há sempre um colega que surge para ”acalmar” os ânimos. É nisso que se baseia a função mediadora do psicólogo do trabalho, alguém que sem tomar partidos, funciona como um aliado da empresa para permitir que a produtividade da mesma não seja afectada pelos conflitos interpessoais dos trabalhadores.

 

Ele encarrrega-se na acção de preservar a estabilidade emocional e mental dos trabalhadores, na sua maioria de grandes empresas ou organizações que movimentem bastante capital. A exigência que recai sobre cada trabalhador a diariamente ter que realizar as suas funções, bem como sobreviver às dinâmicas das promoções e despromoções de postos/cargos próprias do mercado de trabalho, podem facilmente conduzir um indivíduo à extremos níveis de stress.

 

E com os seus conhecimentos na área da Saúde Mental, ele vai aplicar meios e formas de manter a produtividade dos trabalhadores pela promoção da harmonia entre todos.

Exemplos: Existem aquelas profissões de muita responsabilidade, como por exemplo, os pilotos, em que lhes é proibido qualquer tipo de ”erro” pela consequência mortal que dela pode advir. Os psicólogos destas empresas, trabalham constantemente (ou deveriam) com esses clientes, submetendo-os a regulares testes psicológicos e terapias para o stress.