Texto: Jéssica dos Santos

Na madrugada de quarta-feira foi lançado online o álbum “Confronto de Titãs” dos rappers Dji Tafinha e Kid Mc, as reacções da obra, que apanhou todos com as calças nas mãos, não se fizeram esperar por parte dos admiradores e colegas, que falaram para a JdB. Há quem entenda que o projecto foi precipitado, outros acham que um está mais actualizado que outro, há também crenças de que Dji Tafinha acordou seu lado rapper, e este afirmou que está a gostar “bastante” das reacções do público.

As opiniões variam bastante, Idalécio de Oliveira, mais conhecido por DJ Soneca, Ex-membro do Elenco de Luxo, reconhece ter sido “uma boa iniciativa, pena que teve de existir um Projeto X para que Dji Tafinha e Kid Mc conseguissem fazer este projecto”, entende.

O DJ entende que ‘Confronto de titãs’ “parece ser feita às pressas”, “não sei com que motivo, visto que a abordagem das músicas não é tão comercial”, considera acrescentando que o projecto “podia ter sido mesmo um álbum”, “uma ou duas músicas podem ser levadas em conta”, refere. Entretanto o rapper felicita os dois artistas por terem conseguido ultrapassar as desavenças “e bem-haja ao Hip-Hop”, concluiu.

Para o cantor Punidor é um “bom projecto, que veio para contribuir no crescimento da nossa música, cultura, em todas as linhas da frente”, afirmou. Felicitou os rappers e mostrou sua solidariedade “juntos seremos mais fortes.”

Um dos internautas, amante do rap, Anderson Jorge, comentou que “em princípio” achou que havia alguma maturidade dos artistas, mas que quando começou a ouvir as músicas murchou “um pouco no fim”.

O membro do grupo de afro-house, os ‘De Tróia’  Mauro, também apreciador do rap, eleva o factor actualidade como o ponto que difere os rappers neste confronto. O cantor do “Bela” considera Dji Tafinha “muito actualizado e maduro em termos vocais e de produção”,  já sobre o Incorrigível, Mauro entende que não obstante deste cantar “muito bem” e ter “boas mensagens” “só que não se enquadra na actualidade”. Refere-se a “Vibes, Flows e Skills”, mas confessa ser algo “benéfico para ambos os rappers”.

O cantor Otto Duc gostou do álbum e revela que acabou por “voltar no tempo”, confessa que já não ouvia Dji Tafinha dropar por cima daqueles ‘bits’ duros, ”foi bom ver como eles se encaixaram, a novidade no álbum é mesmo a junção das duas ideologias e pensamentos diferentes num só projecto”, comentou, em declarações à JdB.

Para Duc, os rappers fizeram abordagens “bastante positivas e necessárias”, “no final das contas é um projeto para engrandecer a cultura Hip-Hop”, considera.

Cláudio Tutaleny, modelo e apreciador do Hip-Hop, também acha o álbum “muito bom” e admira “muito o trabalho dos dois artistas e já esperava este resultado”, disse.

O blogger e promotor da cultura Hip – Hop Kuzco T-Punch Gildo acha o álbum “good”. As líricas e instrumentais foi o que mais chamou atenção do apreciador e entende que Tafinha “acordou o seu lado rapper, fez- me lembrar do Tafinha do ‘Preto no branco'”, recordou.

Segundo o blogger, os ‘titãs’ tiveram um “cuidado especial” ao escolherem os temas como a ‘Voz da razão’ (onde explicam o que sentiram um pelo outro na altura do beef e serviu de conselho para nova geração que  estaria a cometer o mesmo erro; e ‘Resgate Cultural’, “nessa faixa eles deram-me uma visão do pensamento da nossa sociedade que nunca tinha imaginado como a cena do bom ventre é so se o bebe for clarinho”, considera.

“Para o projecto ou álbum eu classificaria 3 estrelas num limite de 5 . E espero que tenha um show, acho que ao vivo a emoção será outra”, rematou o promotor.
Um dos ‘titãs’, Dji Tafinha declarou à JdB que está a gostar “bastante” das reações dos fãs.