Por: Albino Tchilanda 


O astro da música maliana, mais conhecido como Voz d´Ouro de África, Salif Keita revelou à JdB durante o espetáculo realizado ontem à noite no Centro de Conferências de Belas, em Luanda, que pretende fazer músicas com jovens compositores angolanos tal como fez no dueto com a cantora cabo-verdiana, Cesária Évora.

A estrela maliana da música pop, jazz e mbemba universal, que vive em Paris, França, confessou que não via tempo para voltar à Angola depois de já ter estado há 17 anos. Salif considera que a música angolana está a atingir bons contornos e por isso pensa em partilhar algumas letras com cantores nacionais em breve.

“Já não via o momento para vir à Angola e desejo cá estar novamente. Penso em cantar com jovens artistas angolanos, partilhando a mesma letra, tal com fiz com a Cesária Évora”, revelou a ‘Voz d´Ouro de África’.

O espectáculo que marcou a vida dos presentes teve cerca de 4 horas de duração e contou com a participação dos músicos angolanos como Filipe Kukenga, Calabeto, Carlos Buriti e Yola Semedo. Numa sala com cerca de 200 metros de comprimento e mais de 140 de largura, adornada de vermelho, reuniu os mais de 1200 fãs do artista. Jovens e velhos, ministros, embaixadores, músicos e outras figuras públicas, nostálgicos e emocionados esperavam em palco pela ‘Voz d´Ouro de África’.

O músico Filipe Mukenga, totalmente aplaudido à entrada ao palco, revelou à JdB que, apesar de já ter dividido o mesmo palco que Cesária Évora, em Batleclan, Paris, nunca pensou em partilhar um palco com Salif, que reconhece ser um verdadeiro astro da música africana e do mundo.

“Para mim é uma honra. Nunca pensei que teria a oportunidade de estar com ele pessoalmente, apesar de já ter estado com Cesária, em Paris.

Mukenga confessou que gostava de concretizar o sonho de cantar com Salif, por ser uma das figuras com mais notoriedade no cancioneiro africano. O artista reforçou que seria bonito se pudesse partilhar com o músico um mesmo tema.

“Infelizmente não vamos cantar juntos no palco, mas na verdade o que eu queria é concretizar o sonho de partilhar um mesmo tema com ele, tal como ele fez com Cesária”, revelou o músico angolano. “Gostaria de ter a oportunidade de poder, não só conversar, mas também trabalhar com ele nalgum tema”, reforçou Mukenga.

A jovem cantora Yoma Semedo abrilhantou e arrasou o palco ao se juntar ao astro maliano para fazer a vez de Cesária no tema “Je amu”, que convidou a euforia dos malianos presentes invadirem o palco para ver de perto o conterrâneo.

“Sinto-me muito honrada e realizada por pisar o mesmo palco que ele. Salif justificou em Angola a fama que tem”, referiu Yola Semedo.

Para Carlos Burity, a presença dos jovens significa que as músicas dos mais velhos já estão a ser entendidas. O artista também alinhou que nunca sequer pensou em cantar ao lado de Salif Keita.

“Por amor de Deus! Já cantei com várias estrelas, mas nunca cantei ao lado dele”, resumiu.