Por: Albino Tchilanda


O Sindicato Nacional dos Professores (Sinprof ) ameaça convocar uma  nova greve nacional, em Agosto, caso o Ministério da Educação não resolva até o princípio deste mês as orientações vindas da última reunião. As declarações foram feitas esta semana, em Benguela, pelo Secretário-geral do Sinprof, Guilherme Silva.

O responsável, que falava à rádio Ecclésia aquando de uma actividade filantrópica na terra das Acácias Rubras, observou que enquanto não existir uma resposta as greves não vão parar, prometeu.

 

“Se o Ministério da Educação não cumprir com as orientações saídas da última reunião com o presidente da Republica, a greve geral não vai parar. Vamos paralisar as aulas antes da campanha eleitoral”, advertiu Guilherme Silva.

 

“Se o Ministério não tomar as decisões antes das campanhas eleitorais, não teremos outra saída se não optar pela greve”, reforçou.

 

Guilherme Silva entende ser contrassenso os argumentos de falta de dinheiro para cumprir com as exigências dos educadores este ano, uma vez que, lembrou,  foi recentemente que se comprou mais de 200 lexus, no valor de 700 mil dólares cada para os deputados.

 

“ Se o Ministério resistir em não satisfazer as nossas exigências, a greve será inevitável, porque se a nível do orçamento não é possível pagar os 100 ou 150 mil kwanzas para os professores ainda este ano, como é que é possível comprar os lexus no mesmo ano?”, refutou.

 

O secretário-geral da agremiação dos professores, entende ser possível pagar os 100 ou 150 mil kwanzas aos professores. “É possível sim pagar os 100 ou 150 mil kwanzas”, rematou.

Caso o sindicato decrete greve, será a terceira vez que acontece ainda este ano.

 

A última greve desta associação foi em Maio onde ficou acordado que as exigências como a reconversão de carreira, actualização de salário e de subsídios só seria possível a partir do próximo ano por falta de verbas.