Por: Neliengue Sancho


 

5 de Junho é celebrado mundialmente como dia do ambiente. O evento tem como objectivo assinalar acções positivas de protecção e preservação do ambiente e alertar as populações e os governos para a necessidade de salvar o ambiente. Trazemos, assim, o ranking actualizado das 10 cidades mais limpas e as 10 mais sujas do mundo, onde Luanda não consta.

A data foi escolhida porque marca o dia em que iniciou a primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, que se realizou em 1972, em Estocolmo, na Suécia, cuja declaração final contém 19 princípios que assentam na necessidade de “inspirar e guiar os povos do mundo para a preservação e a melhoria do ambiente humano”, estabelecendo assim as bases para a nova agenda ambiental das Nações Unidas.

Este ano a comemora-se sob o tema: “Conectando as pessoas à natureza”. Os eventos visam apresentar novas formas e métodos de preservar o futuro da humanidade, seja através de acções individuais do cidadão ou colectivas. Nas escolas esta data assume especial importância, com a chamada de atenção para a preservação do meio ambiente junto das crianças.

“Chegamos a um ponto na História em que devemos moldar as nossas ações em todo o mundo, com maior atenção para as consequências ambientais. Através da ignorância ou da indiferença podemos causar danos maciços e irreversíveis ao meio ambiente, do qual a nossa vida e bem-estar dependem. Por outro lado, através do maior conhecimento e de ações mais sábias, podemos conquistar uma vida melhor para nós e para a posteridade, com um meio ambiente em sintonia com as necessidades e esperanças humanas…”

 

“Defender e melhorar o meio ambiente para as atuais e futuras gerações tornou-se uma meta fundamental para a humanidade.”

Trechos da Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente (Estocolmo, 1972).

A celebração do Dia Mundial do Ambiente teve início em 1972.

 

Descrevamos, então, as 10 cidades mais limpas do mundo segundo rankings feitos por empresas  ligadas ao saneamento.

 

A obsessão pela limpeza é uma prática que não está restrita apenas à casa de algumas pessoas. Dependendo da educação, políticas públicas e envolvimento comum, essa prática rompe as barreiras das casas e chegam até às cidades.

 

Dentro desse contexto, quem é que não gosta de desfrutar de uma cidade longe do lixo e bem cuidada?

 

Seguindo essa mesma linha de raciocínio, ao redor do mundo, existem algumas cidades que alcançaram o nível de excelência quando o assunto está relacionado a limpeza pública. Nessas cidades, além dos serviços de limpeza pública funcionarem, o grau de conscientização das pessoas também é fator de diferenciação.

 

Para matar a sua curiosidade em relação a esses lugares, a partir de agora, você vai poder conferir um ranking com as 10 cidades mais limpas do mundo:

 

1º lugar – Hamburgo – Alemanha

 

Com cerca de 1,7 milhão de pessoas vivendo na cidade, Hamburgo é conhecida pela grande concentração de pontes que cruzam toda a cidade. Por isso ela é considerada uma das mais afluentes cidades da Europa. Tornou-se um polo mediático e industrial, com fábricas e grandes instalações.

 

2º lugar – Chicago, Illinois, EUA

Chicago é a cidade mais populosa do estado de Illinois, nos Estados Unidos. A notoriedade da cidade expressa na cultura popular é encontrada em romances, peças teatrais, filmes, músicas, vários tipos de revistas e nos meios de comunicação.

Chicago possui a maior quantidade de área destinada a parques nos Estados Unidos. São cerca de 220 localidades ao longo da cidade, que possuem uma área total de 30 km² de área verde.

 

3º lugar – Copenhague, Dinamarca

Copenhague tornou-se a capital da Dinamarca no início do século XV, e durante o século XVII, sob o reinado de Cristiano IV, tornou-se um importante centro regional.

A cidade de Copenhague possui uma infraestrutura moderna de transportes que faz da cidade uma das mais modernas da Europa setentrional nestes parâmetros.

 

4º lugar – Honolulu, Havaí, EUA

Sendo a principal cidade do arquipélago, Honolulu é a porta de entrada e saída de produtos e serviços do estado. O turismo atrai cerca de US$10 bilhões a cidade anualmente.

Sua localização central no oceano pacífico transforma o local em um grande elo de ligação entre os Estados Unidos e os países da Ásia. A cidade também se destaca na indústria militar, pesquisa, desenvolvimento e manufatura.

 

5º lugar – Helsinki, Finlândia

A cidade possui uma rica história, marcada por conflitos contra outros povos, principalmente os russos. O turismo em Helsinki é amplamente dominado e ligado à cultura.

O clima da cidade é temperado continental. Devido à influência atenuante do Mar Báltico, as temperaturas no inverno são mais elevadas, principalmente em comparação com o interior do país. As médias em janeiro e fevereiro estão próximas de -5 °C.

 

6º lugar – Reykjavik, Islândia

A cidade é conhecida por ser a capital da Islândia e, pela sua posição, é também a capital mais setentrional do mundo. O setor costeiro de Reykjavik é caracterizado pela presença de numerosas penínsulas, estreitos e pequenas ilhas. Reykjavik dispõe também de uma boa rede de linhas de ônibus.

7º lugar – Viena, Áustria

Viena é uma cidade com uma elevada qualidade de vida. No estudo internacional do Mercer, de 2015, a qualidade de vida foi comparada com base em 39 critérios, tais como factores políticos, econômicos, sociais e ambientais, em 230 cidades em todo o mundo.

Viena ocupou o primeiro lugar pela sétima vez consecutiva. Também está colocada como uma das cidades mais ricas do mundo, atraindo mais de 12 milhões de turistas por ano.

 

8º lugar – Genebra, Suíça

Genebra é considerada um dos mais importantes centros financeiros do mundo. Genebra é considerada pela pesquisa mundial de qualidade de vida a segunda melhor do planeta, atrás penas da também suíça Zurique.

O Salão Automóvel de Genebra é um dos mais importantes no mundo. A exposição é realizada no Palexpo, um gigantesco centro de convenções localizado ao lado do Aeroporto Internacional.

 

9º lugar – Curitiba, Brasil. Em uma recente pesquisa publicada pela revista Forbes, Curitiba foi citada como a terceira cidade mais sagaz do mundo, título que leva em consideração a forma conjunta em ser ecologicamente sustentável, com qualidade de vida, boa infraestrutura e dinamismo econômico.

Curitiba experimentou diversos planos urbanísticos e legislações que visavam controlar seu crescimento, que a levaram a ficar famosa internacionalmente pelas suas inovações urbanísticas e cuidado com o meio ambiente. A maior delas foi no transporte público, cujo sistema inspirou o TransMilenio, implantado em Bogotá, na Colômbia.

 

10º lugar – Singapura, Singapura foi avaliada como o país com o maior número de empresas de economia familiar em todo o mundo. Também é um popular destino turístico, contribuindo para a importância desse tipo de indústria.

O país é um importante centro de transporte internacional na Ásia, posicionado em muitos rotas comerciais marítimas e aéreas. A preocupação com o asseio de ruas e áreas comuns obedece uma gestão linha dura do lixo, que chega a proibir a venda de chiclete. Jogar butuca de cigarro no chão, então, pode rende multa de até 400 reais.

Cidades mais sujas do mundo

Segundo o Mercer Human Resource Consulting’s Health and Sanitation Rankings (Consultoria de Recursos Humanos e Rankings de Saneamento) conceituada e reconhecida instituição em atividade desde de 1937 nos Estados Unidos, a cidade considerada a mais suja do mundo no último ranking feito é Baku, no Azerbaijão.

 

Cercado pelo Irão, Geórgia, Rússia e Armênia no Mar Cáspio, o Azerbaijão é um pólo petrolífero. Como conseqüência, a capital sofre com altos níveis de risco de morte provocados pela poluição do ar devidos às perfurações e transporte de petróleo.

2º lugar: Dhaka, Bangladesh.

Localizada no sul da Ásia entre a Birmânia e a Índia, a capital de Bangladesh, Dhaka precisa combater constantemente a poluição da água muitas vezes grossa com muitas doenças e lotada de poluentes a partir do uso de pesticidas comerciais.

Com aproximadamente 1,5 milhões de pessoas vivendo em uma área relativamente pequena, o saneamento do local se torna extremamente difícil.

3º lugar: Antananarivo, Madagascar.

Situada ao largo da costa sudeste da África, Madagascar, no Oceano Índico, passa a fazer parte desta lista deste ano com a sua cidade capital, Antananarivo.

Conhecido por sua variedade de flora e fauna únicas, Madagascar tem sido muitas vezes referido como o oitavo continente do mundo, porém os efeitos da ocupação humana estão deixando rapidamente suas marcas desastrosas.

4º lugar: Porto Príncipe, Haiti.

Violência de inspiração política e a corrupção estão enraizadas no Haiti.

Igualmente perigoso: o ar e a água, altamente poluídos.

Servindo como um dos principais portos da ilha, Porto Príncipe é fundamental para o desenvolvimento econômico do Haiti. A falta de controles de poluição, no entanto, contribui para os problemas ambientais de toda espécie na cidade.

5º lugar: Cidade do México, México.

Na capital do México, as estimativas de emissões de ozônio insalubres são de 85% do ano. Além de estar localizada no centro de uma cratera vulcânica e cercada por montanhas o que serve para travar a poluição do ar, onde a poluição atmosférica paira sobre a cidade.

6º lugar: Addis Abeba, Etiópia.

A capital da Etiópia enfrenta um dos piores problemas de saneamento de todo o continente africano. A falta de programas de saneamento adequados (assim como em muitos lugares no mundo) resulta em alto índice de mortalidade infantil, baixa expectativa de vida e na transmissão de doenças por meio hídrico.

7º lugar: Mumbai, India

O governo indiano espera reconquistar para Mumbai o status de metrópole emergente após o declínio econômico recente.

Em recente relatório do setor privado sobre o conjunto de alterações propostas para infra-estrutura, controle da poluição e estratégia de crescimento econômico, seria necessário aproximadamente 1 bilhão de dólares de recursos do governo indiano.

8º lugar: Bagdá, Iraque.

 

Surtos fatais de cólera atingiram várias províncias do país, incluindo a capital. A poluição do ar, resultante da queima de petróleo, agravado pela guerra, também é motivo de preocupação.

Em África.

De acordo com um relatório da OMS, Luanda aparece em terceiro lugar na lista das cidades mais sujas a nível africano.