Por: Redacção


A Federação Angolana de Basquetebol (FAB) e os clubes que vão disputar o Campeonato Nacional discutiram, ontem, sobre o ingresso do novo patrocinador na prova (Unitel) e as alterações resultantes da referida parceria.

Durante cerca de quatro horas, o órgão reitor do basquetebol apresentou os principais pontos da parceria com a empresa de telefonia móvel, com destaque para disponibilidade de transporte grátis para os adeptos e equipas, além da oferta de material desportivo para as agremiações intervenientes. Comparativamente ao anterior patrocinador (Banco BIC) estes são os principais diferenciais, conforme referencia Angop.

Recentemente o comentarista desportivo Mariano de Almeida criticava o facto de a FAB não esclarecer até então os termos do contrato feito com a nova patrocinadora. O crítico publicou na sua página do Facebook um pequeno texto dando conta de que clubes da primeira linha se recusariam da participação no próximo Unitel Basket se a federação não divulgasse as vantagens do contrato com a operadora móvel Unitel. O certo é que na última reunião, ontem, faltaram dois colossos: 1º de Agosto e Libolo, no caso da equipa do Rio Seco, há quem justifique pelo facto de esta ter o estádio próprio, para responder sobre um dos pontos em discussão, que tem a ver com a possibilidade de os jogos serem realizados apenas no pavilhão Multiusos do Kilamba, por apresentar melhores condições em relação aos outros. Mas havia outros motivos em discussão que não justificaram a ausência dos militares (e dos libolenses), se nos ativermos à primeira premissa.

A federação reiterou a proposta de se disputar a competição apenas no pavilhão Multiusos do Kilamba, alegando que alguns recintos não têm condições para proporcionar um bom espectáculo e o facto do Multiusos estar a disposição para jogos e treinos de forma grátis.

“Devemos aproveitar a existência deste pavilhão e dar a devida utilidade, é uma obra que custou muito dinheiro ao Estado e não podemos deixar que acaba como outros recintos, no esquecimento e quase sem utilidade”, frisou o presidente da FAB, Hélder Cruz, citado pela Angop.

No entanto, explicou que o encontro serviu apenas para informar as vantagens saídas da parceria com a Unitel e a necessidade de se disputar o campeonato num pavilhão com melhores condições que qualquer outro no país, deixando a decisão sobre o segundo ponto por parte dos clubes.

“Não queremos impor nada, mas seria bom efectuar todos os jogos no pavilhão multiuso, para melhorar a qualidade do nosso basket. Mas são os clubes a decidir”, acrescentou, salientando que durante a reunião os representantes mostraram-se satisfeitos

Das 10 equipas inscritas no Campeonato Nacional, que arranca no dia 4 de Novembro, estiveram representados o Petro de Luanda, Interclube, Universidade Lusíada, Vila Clotilde, ASA, Helmarc e Marinha. Não compareceram o 1º de Agosto (um dos clubes com pavilhão próprio), Crisngunza e Libolo.