Por: Redacção 


O continente africano é muito rico e diverso em termos culturais e as questões da sexualidade e da reprodução estão presentes, em grande parte, nos hábitos dos povos distribuídos pela nossa extensão territorial. Fomos indagar a quem vende sobre os efeitos de produtos como o “Nzolamiongo”, o Pau-de-Cabinda e outros estimulantes sexuais, Constatamos que os jovens preferem os novos medicamentos, o Pau-de-Cabinda é mais para kotas, que compram mais por causa da bebida e o cansaço.

 

Jaques, de 32 anos, vendedor proveniente de Cabinda, que comercializa produtos naturais por encomenda, afirma ser um bom negócio, “as minhas ervas vêm directamente de Cabinda por isso tenho já clientes fixos. Um monte desses pode variar de cem a mil Kwanzas e quando chegam aviso aos clientes que já tenho e eles compram”, explica. Quando perguntamos sobre qual era a faixa etária que mais comprava os seus produtos, respondeu que não tinha muita diferença entre os adultos (da faixa de 40 para cima) e os mais jovens, pois esses também aderem com muita frequência aos seus produtos. “Os jovens preferem os novos medicamentos, o Pau-de-Cabinda são mais o kotas que compram, mas por causa da bebida e o cansaço, os jovens também procuram muito”, esclareceu acrescentando que muitos jovens casados que não conseguem ter filhos são os que mais recorrem ao tratamento tradicional, seguidos daqueles que por bebida, por cansaço do trabalho, uso de anabolizantes musculares, ou por outras questões de saúde, perdem a força eréctil, explicando mesmo que os seus tratamentos têm tido resultados positivos e o número de clientes aumenta a cada dia. 

 

Tia Tina, vendedora ambulante na zona adjacente ao mercado dos Congolenses, vende produtos naturais e explicou-nos sobre os efeitos de alguns deles para os consumidores. Começou por dizer que às vezes vende para mulheres que compram para os seus maridos quando estão a “perder a força”, segundo nos explicou. “Eu só vendo natural, não vendo comprimidos, nem Obama nem Fortex, porque quando o homem usa comprimidos depois chega uma fase que não consegue mais fazer (sexo) sem usar isso”, adverte, explicando ainda a relação entre objectivos a alcançar e o determinado tipo de erva. “O Nzolamiongo é bom para resolver problema de fazer filho, para quem quer nascer gêmeos também é aconselhável e dá potência”, revela. O ‘Dois mil e Dezasseis’ descobrimos o ano passado e é bom com gengibre, aumenta a resistência e o homem fica assim durante muito tempo”, acrescentou ainda que vende vários medicamentos que servem para aumentar o cumprimento do pénis e o famoso Pau-De-Cabinda que é o preferido de todos, também dá potência e aumenta o seu efeito quando misturado com alguma bebida destilada. 

 

Concluiu dando algumas dicas sobre o que os homens devem usar ou não para melhorarem o seu desempenho sexual e reprodutivo, aconselhando a não usarem suplementos de ginásio, bem como evitarem o uso abusivo do álcool e até o Chá de Caxinde por excesso, comerem verduras e estarem sempre bem alimentados, para retardar o envelhecimento dos órgãos do sistema reprodutor, explicou.