NegóciosSOCIEDADETecnologia

BPC, ENDE e Unitel são as empresas que mais deixaram clientes insatisfeitos em 2021

As queixas e reclamações dos consumidores em 2021 resultaram na devolução de 158 milhões de kwanzas, revela o relatório anual do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor, INADEC.

O valor surgiu das 1,6 mil reclamações resolvidas no ano passado, mas, segundo o instituto, representam apenas 43% das 3,9 mil queixas apresentadas pelos consumidores, avança o Expansão na sua última edição, realçando que, em 2020, as restituições tinham sido de 253 milhões Kz.

A má prestação de serviço, qualidade dos bens comercializados e incumprimento contratual estão na origem das reclamações. Algumas das queixas, onde não foi possível o entendimento entre as partes, foram encaminhadas para tribunal pelo INADEC. 

Os angolanos reclamaram menos em 2021. Em 2020, 6,8 mil reclamações foram recebidas contra os 3,9 mil do ano passado, uma quebra de 42%. O número de reclamações resolvidas também baixou. 

Os dados constam do relatório estatístico anual do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor, que coloca o Banco de Poupança e Crédito (BPC), a empresa de telecomunicações UNITEL e a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) como as que mais reclamações tiveram em 2021.

Pelo segundo ano consecutivo, o BPC liderou o ranking das empresas com mais queixas, 238 processos. As reclamações contra o BPC estão ligadas aos serviços de conta corrente à ordem, morosidade nos movimentos em caixas automáticas (multicaixas), terminais automáticos (TPA) e transferências. 

Sobre a Unitel pesaram 237 reclamações. Os clientes da operadora, que detém 90% do mercado, reclamam, na sua maioria, das dificuldades que têm tido para fazer carregamentos de recargas telefónicas, navegar na internet ou até mesmo fazer ou receber chamadas.

A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) recebeu no ano passado apenas 127 reclamações, na maior parte das vezes referentes ao corte de energia sem aviso prévio, cobranças indevidas e alegados “casos de corrupção” por parte de técnicos da empresa. 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo